Ação de Formação Seminário Internacional “olhares-e-reflexoes-sobre-o-holocausto
Modalidade: Curso de Formação
Registo de Acreditação: CCPFC/ACC – 87881/16
Duração: 12 horas presenciais
N.º de Créditos: 0,5
Formadoras: Vários
Destinatários: Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário
Local da Formação: Auditório do Museu Municipal Dr. Santos Rocha, Figueira da Foz
Inscrições:
Os professores interessados em frequentar esta ação de formação devem proceder ao preenchimento das fichas 1 e 2 e remetê-las para o endereço eletrónico memoshoa.seminariofigueira@gmail.com, acompanhadas do BI ou do CC.
O período de inscrições decorrerá até às 12,00h do dia 31 de outubro de 2016.
A acreditação do seminário é gratuita; as despesas de organização são €5,00, cujo pagamento é efetuado por transferência bancária para o IBAN PT50003505100003640103037 – o comprovativo da transferência deve ser enviado juntamente com as fichas de inscrição.
Critérios de seleção dos formandos:
1. Docentes de Unidades Orgânicas associadas do CFAE Beira Mar;
2. Docentes de Unidades Orgânicas não associadas do CFAE Beira Mar;
3. Ordem de inscrição.
Programa:
Dia 4 de novembro, sexta-feira
20h30 – Abertura do seminário (Presidente da CM Figueira da Foz, Dr. João Ataíde; Diretor do Centro de Formação Beira Mar, Dr. Teotónio Cavaco; Presidente da Memoshoá, Dra Esther Mucznik). Presença dos Diretores da Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Dr. Carlos Santos e do Agrupamento de Escolas Figueira Mar, Dr. Pedro Curto.
21h15- À volta com O pintor debaixo do lava-loiça, Afonso Cruz, escritor figueirense, Prémio Leya.
22h00- Programa cultural
Dia 5 de novembro, sábado
09h00- Abertura do secretariado
1.º painel: Moderação de Madalena Fernandes, Memoshoá
09h15- O Holocausto na(s) Memória(s) Europeia(s): Sete anos de “Seminários sobre Rodas” da Memoshoá, Esther Mucznik (Memoshoá)
10h00- A Figueira da Foz na rota dos refugiados e o Museu de Vilar Formoso, Margarida Ramalho e Luísa Pacheco Marques (UN)
10h45- Debate
11h05- Pausa para café
2.º painel: Moderação de Pedro Curto, Agrupamento de Escolas Figueira-Mar
11h15- Refugiados judeus em Portugal: o caso do comboio do Luxemburgo, Irene Pimentel (UN)
12h00- “Aristides por Aristides…”, com Aristides Sousa Mendes, neto do Justo Português, moderação de António Martins
12h45- Debate
13h00- Almoço livre
14h15- Visita aos locais ligados ao acolhimento dos refugiados e visita à exposição de espólio dos arquivos da CM
3.º painel: Moderação de Madalena Fernandes, Memoshoá
16h00- Memórias de Família, Clara Mineiro
16h45- A Minha Escola foi a Auschwitz, Luísa Godinho e alunos (Memoshoá e Escola Secundária Quinta do Marquês, Oeiras)
17h30- Debate
17h45- Pausa para café
Comunicação Final
18h00- O Mundo depois de Auschwitz, Haya Feldman (Yad Vashem)
18h45- Debate
Razões justificativas:
Este curso de formação fundamenta-se nas seguintes razões:
– Necessidade de promover e divulgar junto das comunidades educativas a memória histórica dos acontecimentos que nos precederam, nomeadamente a vivência da Europa no período da II Guerra Mundial e do Holocausto, especificamente;
– Análise das diversas intervenções religiosas na II Guerra e no decurso do Holocausto;
– Integração no âmbito da cidadania ativa das vivências culturais dos tempos de conflito e as suas consequências e efeitos para a vida da Europa;
– Promoção e divulgação dos Direitos Humanos como suporte de ação junto da Comunidade Educativa, para que sejam algo sempre presente na memória das gerações presentes e futuras;
– Difusão da ação dos diversos intervenientes no decurso do Holocausto e seus efeitos;
– Estabelecimento de parceria com Yad Vashem de Israel e com a Memoshoà de Lisboa, bem como o apoio de diversas entidades civis e educacionais que se integram na ação para que haja um maior enriquecimento das comunicações dos painéis.
– A Comemoração dos 70 anos da libertação do campo de concentração de Auschwitz.
Objetivos:
Pretende-se:
– Sensibilizar a Comunidade docente para a vivência do Holocausto, e a Comemoração dos 70 anos do Campo de Concentração de Auschwitz, como forma de promoção de memórias coletivas que urgem divulgar;
– Partilhar Boas Práticas, de projetos e técnicas de Ensino realizadas sobre o Holocausto, no âmbito do Seminário de Verão do Yad Vashem, Jerusalém;
– Saber utilizar os diários de sobreviventes e de vítimas como forma de ensinar literatura, cidadania e direitos humanos;
– Adquirir consciência crítica dos acontecimentos da História, num processo de cidadania ativa e participativa.
Metodologia de realização da ação:
– Metodologia teórico-prática: “Olhares e Reflexões sobre o Holocausto” com a apresentação de comunicações temáticas teóricas, seguidas de debate.
– Visionamento de filme e documentários seguido de debate.