Ação de Formação n.º 03 – 2016/2017, “Formar os parceiros da Biblioteca Escolar: dispositivos móveis na educação”
Modalidade: Curso de Formação
Registo de Acreditação: CCPFC/ACC – 85299/16
Duração: 30 horas presenciais
N.º de Créditos: 1,2
Formadores: Isabel Maria Bernardo, Maria da Graça Silva, João Paulo Martins
Destinatários: Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário(concelho de Cantanhede)
Local da Formação: Escola Secundária Lima-de-Faria (sala 2.8), Escola-sede do AE Lima-de-Faria, Cantanhede
Inscrições: Os professores em exercício de funções no concelho de Cantanhede interessados em frequentar a ação de formação devem fazer a sua pré-inscrição em https://goo.gl/forms/89TaGRvIYTBOYiku2, entre os dias 19 e 30 de setembro. Os professores pré-inscritos serão contactados pelo CFAE Beira Mar, por ordem de inscrição, para concluírem o processo de formalização da sua inscrição, processo esse que implica o envio da ficha-inscricao_031617pd, acompanhada de cópia do BI ou do CC entre os dias 3 e 7 de outubro, para o endereço eletrónico geral.cfaebeiramar@gmail.com ou a entrega direta no CFAE Beira Mar, com indicação do AE e do grupo de recrutamento / disciplinas que leciona.
A confirmação das inscrições será feita pelo CFAE Beira Mar no dia 17 de outubro.
Critérios de seleção dos formandos:
1. Os candidatos efetivos são ordenados de acordo com a ordem de entrada das fichas de inscrição completamente preenchidas e respetiva cópia do BI/CC;
2. A ação de formação só irá funcionar com o número mínimo de 12 formandos (número máximo a admitir: 16 formandos).
Razões justificativas:
Programas nacionais e internacionais pressionam atualmente os sistemas educativos para a inclusão na educação de processos de ensino e aprendizagem que façam uso ativo das tecnologias da informação e comunicação (TIC).
De acordo com a UNESCO, e documentos seminais como o Horizon report 2014: school editions, o Horizon report 2015: K12 e Digital competence in digital agenda, a portabilidade e a conetividade dos dispositivos móveis (smartphone, tablet, consolas, e-reader…), a par com desenvolvimentos tecnológicos como a “cloud computing”, os “big data”, a difusão extraordinária das redes sociais e o aumento de aplicações informáticas vocacionadas para a educação (ou com potencialidade para serem mobilizadas na educação), assim como a produção de recursos educativos digitais abertos, estão a criar novas tendências e novos desafios na educação.
A aprendizagem móvel é definida pela UNESCO como uma aprendizagem contínua que pode ocorrer em qualquer lugar e tempo, possível graças à mobilidade coordenada entre dispositivos (começar num tablet, continuar num smartphone, produzir num PC…) e à fluidez da web social que aumenta a interconetividade. Sem se centrar exclusivamente no uso de tablets em educação, a aprendizagem móvel surge como um suporte tecnológico a tendências educativas, tais como o esbatimento das fronteiras entre a educação formal, informal e não formal, o
desenvolvimento da educação em formato de e-learning ou em ambientes híbridos (por exemplo, os MOOC, os cursos da Khan Academy), a disponibilização crescente de recursos educativos digitais abertos, a personalização e individualização do ensino, o desenvolvimento do pensamento crítico, complexo, baseado no processo de pesquisa e de resolução de problemas, o ensino contextualizado em processos reais (por exemplo, trabalho de colaboração de estudantes do ensino não superior com projetos de investigação científica), o uso da enorme capacidade de processamento da informação para tornar a avaliação cada vez mais formativa e dada em tempo real aos alunos e professores.
No entanto, os relatórios da UNESCO, quer à escala global quer centrados nos países da União Europeia, mostram que projetos pioneiros que visam a inserção de competências digitais na educação, nomeadamente os que exploram as enormes potencialidades dos dispositivos móveis, em particular os tablet, apresentam dificuldades de sustentabilidade e de escala, em grande parte em consequência do domínio insuficiente de competências digitais dos professores (e sua relação com a educação), fruto, entre outros aspetos, da inexistência de uma formação contínua que tenha em consideração, no desenvolvimento profissional dos professores, quer o aprofundamento das suas competências digitais, quer a mobilização dessas competências para a aplicação de métodos pedagógicos consonantes com as novas exigências da sociedade da informação e do conhecimento.
Acompanhando o processo de digitalização da informação, da comunicação e do ensino e aprendizagem, os serviços da bibliotecas escolares são hoje espaços que proporcionam o acesso à informação em múltiplos formatos e suportes, incluindo coleções digitais, e o acesso a formação especializada para o uso de instrumentos
tecnológicos e de software para criar, representar e partilhar conhecimento, para além do desenvolvimento de competências de cidadania digital no uso ético, seguro e apropriado da informação. Neste âmbito, as novas linhas de orientação, publicadas em junho de 2015 pela Internacional Federation of Library Associations (IFLA) para as bibliotecas escolares, especificam que os serviços de biblioteca incluem o desenvolvimento profissional dos professores, nomeadamente em competências tecnológicas e de metodologias de ensino suportados em processos
de pesquisa.
A proposta do presente curso de formação insere-se no Projeto Literacias na escola: formar os parceiros da biblioteca. Dinamizado pelos professores bibliotecários das escolas públicas do concelho de Cantanhede, e em implementação pelo terceiro ano consecutivo, o Projeto supõe que, através da atuação direta das bibliotecas escolares junto dos docentes, é possível dotar os educadores e professores do concelho de Cantanhede de conhecimentos e competências em literacia da informação e literacia digital que potenciarão a formação dos alunos, pela inserção contextualizada e integrada na sala de aula destes conhecimentos e competências. Apoiado pelo Ideias com Mérito da Rede de Bibliotecas Escolares, o Projeto desenvolver-se-á, nos anos letivos de 2015-2017, no sentido de permitir a inserção de dispositivos móveis em sala de aula, explorando todas as potencialidades pedagógicas que as tecnologias da informação e comunicação trazem hoje ao processo de ensino e aprendizagem.
Para além de competências técnicas no manuseamento de dispositivos móveis (neste caso, tablets), em especial as necessárias para a sua utilização em contexto educativo, pretende-se com este curso de formação que os educadores e docentes: a) reflitam sobre o papel do professor e da escola num mundo profusamente digitalizado, onde os conteúdos curriculares surgem, cada vez com mais frequência, disponíveis em linha e onde os desafios sociais chocam, muitas vezes, com a pouca flexibilidade dos currículos; b) analisem e discutam metodologias pedagógicas e de avaliação que, usando as vantagens das tecnologias móveis, permitam um envolvimento ativo dos alunos no processo de aprendizagem; c) adquiram competências digitais que permitam a execução de planos de aula com uso de dispositivos móveis e de aplicações informáticas generalistas e específicas que podem potenciar utilmente as aprendizagens dos alunos.
Objetivos:
Pretende-se que os formandos:
a) reflitam ativamente sobre as tendências e os desafios que a educação móvel traz ao sistema de ensino;
b) analisem e discutam pressupostos pedagógicos (ensino personalizado, ensino individualizado, ensino com base em processos de pesquisa e com vista ao desenvolvimento do pensamento crítico e complexo, apto para a resolução de problemas, colaboração, avaliação formativa) inerentes à inserção das TIC no processo de ensino e aprendizagem;
c) conheçam e discutam modelos e metodologias de ensino e aprendizagem como “liberating learners”, “flipped classroom”, “cenários de aprendizagem” e articulem essa discussão com a implementação de modelos de literacia de informação como o implementado nos Agrupamentos de Escolas do concelho de Cantanhede;
d) compreendam o papel da web social na implementação dos pressupostos pedagógicos e metodológicos inerentes aos desafios da educação móvel;
e) adquiram competências básicas no manuseamento de tablets numa perspetiva da sua utilização em sala de aula;
f) conheçam e adquiram destrezas básicas no manuseamento de aplicações informáticas, generalistas e específicas para determinadas disciplinas (ex: GeoGebra), para a inserção de dispositivos móveis em sala de aula;
g) compreendam a importância do uso de dispositivos móveis e das TIC em geral para o trabalho colaborativo e para a implementação de técnicas (auto)formativas de avaliação;
h) planifiquem situações de ensino e aprendizagem com uso de dispositivos móveis, de aplicações informáticas generalistas e específicas para a educação e de recursos educativos abertos.
Conteúdos:
1. Tendências e desafios da educação numa sociedade digital
1.1. Educação formal, não formal e informal.
1.2. Personalização e individualização da aprendizagem; aprendizagem em contexto e em trabalho colaborativo.
1.3. Pensamento crítico e competências de resolução de problemas com base em informação.
1.4. Desenvolvimento profissional de professores e competências digitais.
2. Modelos e metodologias pedagógicas associadas ao uso de dispositivos móveis em sala de aula
2.1. Aprendizagem independente (liberating learners).
2.2. Sala de aula invertida (flipped classroom).
2.3. Cenários de aprendizagem, aprendizagem com base em informação e desenvolvimento de competências em literacia da informação.
2.4. Web social e educação móvel.
2.4. Avaliação formativa.
3. Características físicas e técnicas dos tablet. Ferramentas básicas.
4. Recursos educativos digitais abertos e aplicações informáticas para uso em contexto educativo.
4.1. Recursos educativos abertos
4.2. Aplicações informáticas de escritório
4,3, Aplicações informáticas generalistas de produção e publicação de conteúdos. Exemplos práticos.
4.4. Aplicações informáticas de trabalho colaborativo e de avaliação. Exemplos práticos.
4.5. Aplicações informáticas específicas para trabalho com conteúdos disciplinares.
5. Trabalho prático final.
Metodologia de realização da ação:
* Sessões teóricas e de reflexão em pequeno e grande grupo para apresentação dos conceitos teóricos básicos.
* Sessões práticas, em pequeno e grande grupo, de exploração dos tablets (características físicas, ferramentas e aplicações informáticas generalistas de escritório).
* Sessões teórico-práticas, em grande e pequeno grupo de exploração e seleção de aplicações informáticas específicas e reflexão sobre a sua utilização em contexto de sala de aula (aprendizagem de conteúdos, exploração independente pelos alunos, aplicações de criação e publicação de conteúdos, aplicações para trabalho colaborativo e (auto)avaliação).
* Trabalho prático de elaboração de plano de aula com aplicação dos pressupostos pedagógicos e mobilização dos conhecimentos digitais/técnicos adquiridos em formação.